Arquivo mensal: janeiro 2014

Núcleo de Políticas de Drogas (NPD-PT) se reúne e tira ações para o período

Imagem

O Núcleo de Política de Drogas do Partido dos Trabalhadores de São Paulo (NPD-PTSP) se reuniu na última quinta-feira, 30, para planejar futuras ações do grupo. Criado em 2013, o objetivo do NPD-PT é discutir e pautar o tema das drogas dentro do PT, bem como dialogar com os movimentos que dialogam com a temática.

O coordenador do NPD-PT, Eduardo Portela, explica que, dentre os encaminhamentos, está a promoção de ciclos de debates para o aprofundamento e a politização sobre o tema das drogas. O núcleo não descarta a realização de discussões nos Diretórios Zonais, “promovendo o debate e disputa sadia de idéias”. “Queremos dialogar com a militância do PT um tema que é tabu na sociedade e, sendo um PT um reflexo dessa sociedade, também encontra resistência entre muitos petistas. A linha de diálogo que construímos no Núcleo é a do combate ao proibicionismo e à criminalização e extermínio da população pobre sob pretexto de segurança pública”, explica Portela.

O grupo, que participa da construção da Marcha da Maconha, deve levar como proposta para a primeira reunião do ato de 2014, a realização de um Encontro Antiproibicionista na semana que antecede a Marcha. “Também daremos continuidade ao processo de construção e fortalecimento de um campo antiprobicionista de esquerda, através do BEC (Bloco da esquerda Canábica), que conta com militantes de partidos de esquerda e ativistas pela redução de danos”.

Direção da JPT Sampa realiza primeira reunião de 2014

Imagem

A Secretaria Municipal de Juventude do PT (JPT Sampa) reuniu sua direção na última quarta-feira, 29, na sede do Diretório Municipal, para iniciar a agenda de trabalhos do ano. Na pauta, planejamento, atuação no Conselho Municipal de Juventude e a recomposição da Direção.

Por Débora Pereira

“No final do ano passado, o Diretório Nacional aprovou uma resolução que amplia os mandatos das direções da JPT, que deveria encerrar-se no início deste ano. A agenda de trabalho que construímos no início da gestão está obviamente esgotada e, para um ano tão importante como esse, em que a disputa do nosso projeto passará novamente pelo crivo popular, é fundamental que a JPT Sampa esteja forte, atuante e cada vez mais dirigente”, explicou Erik Bouzan, Secretário Municipal de Juventude do PT.

Desta forma, a JPT Sampa aprovou a realização de um seminário de planejamento, que deve ser realizado no próximo dia 22 de fevereiro. O evento será ampliado, além dos membros da direção, para representantes de entidades e movimentos de juventude da cidade, com o objetivo de pensar o calendário de atividades da gestão até o final do ano, incluindo ações de pré-campanha e atividades as quais a juventude petista da Capital irá se somar.

“O ano começou intenso e vai exigir que tenhamos planejamento, organização e vitalidade”, sugeriu Bouzan, citando o ato realizado na última sexta feira, 24, pela JPT Sampa em conjunto com outros movimentos, em repúdio à ação truculenta da Polícia Civil na Cracolândia. Tal ação, de acordo com o Secretário, “vai na contramão do processo de inclusão social promovido pelo prefeito Fernando Haddad através do programa Braços Abertos”.

Conselho Municipal de Juventude

A reunião pautou também o mandado do Conselho Municipal de Juventude, cuja participação de militantes identificados com o PT se dá em 13 das 17 cadeiras da sociedade civil, que terminou em Outubro e ainda não existe calendário para o processo eleitoral.

“A nossa opção manifestada na última reunião do Conselho foi de que a eleição deveria acontecer nos marcos da aprovação da nova Lei, com alternância da presidência entre poder público e sociedade civil, incluindo cadeiras que estão fora do conselho e com paridade de gênero entre os conselheiros e conselheiras”, afirmou Lea Marques, coordenadora de Mulheres da JPT Sampa e Conselheira Municipal de Juventude na pasta de Gênero e Diversidade Sexual.

De acordo com a dirigente, o documento precisa ser encaminhada para a Câmara para apreciação dos vereadores. “Eu represento a JPT no Conselho Municipal de Juventude e a nossa chapa foi eleita com a bandeira da alteração da Lei do Conselho. Fizemos a nossa parte: elaboramos uma minuta e encaminhamos para a Coordenadoria de Juventude”, complementou Léa.

Vale destaque que a proposta elaborada pelas Conselheiras do CMJ serviu de base para um projeto sancionado pelo prefeito Fernando Haddad, que assegura paridade de gênero em todos os conselhos da cidade de São Paulo. “A ocupação dos espaços públicos pelas mulheres a partir da paridade é uma bandeira da JPT desde 2008, quando aprovou já em seu primeiro congresso essa metodologia, sendo vanguarda de um processo que culminaria com a paridade de gênero em todas as instâncias do PT”, comemorou Debora Pereira, membro do Diretório Nacional e conselheira do CMJ até o início de 2013.

PÓS-PED

Os presentes na reunião comemoraram o saldo do PED para a JPT Sampa, com a indicação de companheiros da direção municipal da JPT que estarão empoderados em novas tarefas no PT. A coordenadora de PPJ, Larissa D’Alkimin, foi eleita presidenta do DZ de Pinheiros; a coordenadora de Movimentos Sociais Janaína Cristina da Silva, está na Executiva do Diretório Estadual do PT-SP, na Secretaria de Nucleação e Mobilização; Léa Marques, coordenadora de Mulheres, está compondo o Diretório Nacional do PT, juntamente com a companheira Debora Pereira, coordenadora de Assuntos Institucionais da Secretaria Estadual da JPT-SP.

Comjuve-SP pede criminalização da homofobia após assassinato de jovem

O Conselho Municipal de Juventude de São Paulo recebe com consternação a notícia do cruel assassinato do jovem de Kaíque Augusto, negro, homossexual, 16 anos. Kaíque foi, infelizmente, mais uma vítima da violência homofóbica de nossa cidade. Seu assassinato na última madrugada do dia 11/01, com traços de tortura como a retirada dos dentes, hematomas na cabeça e uma barra de ferro cravada na perna, nos indignam e reforçam nossa luta pelos diretos da juventude LGBTT. Em recente relatório da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República sobre a violência homofóbica no Brasil em 2012, constatamos que as principais vítimas são jovens de 15 a 29 anos de idade (61,16%). No critério raça/cor, a população negra e parda também aparece no topo da lista das vítimas: 51,1% das vítimas são negras e 44,5% brancas. Com base nesses dados, defendemos que a cidade de São Paulo construa um Plano Municipal de combate à homofobia, no qual a juventude seja prioridade. É preciso também que o Estado de São Paulo tenha uma política de segurança pública que de fato assegure a vida e os direitos da juventude, seja na questão da liberdade de orientação sexual, seja na questão da circulação nos espaços públicos. Exigimos nosso direito de viver em uma cidade, e em um país livre de qualquer tipo de violência e preconceito. Léa Marques, da Direção Municipal de Juventude do PT e Conselheira Municipal de Juventude, na cadeira de gênero e diversidade sexual, destaca a importância da existência de ações efetivas que combatam atos de homofobia, bem como sua criminalização, quando ocorrerem. “A juventude vem mostrando cada dia mais que que avançar em seus direitos. Ter garantido o direito à livre orientação sexual é uma luta que fazemos, seja através do PT, seja também através do Conselho Municipal de Juventude. Queremos o fim da homofobia, para isso, a sua criminalização é passo determinante.”

Não podemos tolerar a banalização da vida humana.!

Que a apuração desse caso seja feita, e que imediatamente mude-se a notificação no que diz respeito à causa da morte, onde consta como suicídio e não homicídio.Nossa solidariedade à família e amigos/as de Kaíque.

Conclamamos toda juventude de São Paulo à luta pela aprovação do PLC 122! Criminalização da homofobia já!

Conselho Municipal da Juventude de São Paulo Entenda o caso: http://bit.ly/1dTW3AD

Nota sobre a ação da PM nos “rolezinhos”

A Juventude do PT da cidade e do Estado de São Paulo vem a público manifestar o seu repúdio à ação violenta e desmedida da Polícia Militar na expulsão dos jovens de dentro de determinado shopping da cidade.

Apesar de estar baseado em uma liminar, ela própria e a ação decorrente fere o princípio básico do direito de ir e vir e escancara o apartheid social que vivemos hoje. Fruto da sociedade de consumo e da redução da desigualdade econômica dos governos pós-neoliberais, os jovens da nova classe trabalhadora e de baixa renda estão exercendo seu direito de manifestação pública, tal como, há muito tempo os jovens de classe média já fazem com seus “flash mob´s”, mas sem causar a reação preconceituosa que estamos vendo. 

O ranço preconceituoso de nossa elite tomou grandes proporções a ponto de, mesmo sem nenhum caso de furto ou ação violenta por parte dos jovens, conseguir uma decisão judicial se basear em possíveis violações e caracterizar como “espaço impróprio” para essa manifestação. 

Foi, mais um vez, explicitado o papel classista que tem nosso Judiciário, representante máximo da elite brasileira mais arcaica e a PM, cumprindo seu papel histórico de capitão do mato para com os pobres demonstrou todo sua truculência já conhecida. 

A luta pela Desmilitarização da PM tem de se tornar pauta central do próximo período. Chegamos no esgotamento da “guerra civil” e da forte violência policial.

Parabenizamos, aliás, a posição sensata e corajosa do prefeito Fernando Haddad ao não criminalizar o movimento e afirmar que “os jovens necessitam de mais espaços públicos para usufruir e se manifestarem”

Por fim, fazemos um chamado à toda a juventude petista à se somarem aos atos “rolezinhos” que vem sendo convocados com a finalidade de denunciar o apartheid que vem sendo imposto aos jovens da periferia.

Erik Bouzan – Secretário Municipal JPT Sampa
Rogério Cruz – Secretário Estadual JPT/SP